Open da Austrália: Gastão Elias apostado em criar uma surpresa

Open da Austrália: Gastão Elias apostado em criar uma surpresa

O tenista português Gastão Elias não escondeu entusiasmo que sente perante a estreia no quadro principal do Open da Austrália e mostrou-se preparado para causar uma surpresa frente a Nick Kyrgios.

Aos 26 anos, Gastão Elias está, finalmente, onde sempre desejou estar: entre a elite do ténis mundial. Depois de um par de tentativas falhadas -- perdeu na primeira ronda da fase de qualificação nas duas edições anteriores do primeiro 'Grand Slam' do ano -, o número dois nacional teve entrada direta no quadro principal do Open da Austrália e, assumidamente, não poderia estar mais contente com o feito.

"Estou motivadíssimo, com zero nervosismo. Ansioso para começar a jogar, especialmente depois de ver o sorteio", disse à Lusa, referindo-se ao seu adversário na primeira ronda, o australiano Nick Kyrgios.

Tido como uma das grandes promessas do ténis mundial, o polémico 14.º jogador ATP nunca se cruzou com o português, que ainda assim não se escusou a antever aquilo que os espetadores poderão esperar da sua estreia no 'Slam' australiano.

"Acho que vai ser uma estreia divertida, seguramente vou jogar num dos estádios [principais], portanto estou muito ansioso e motivado para fazer uma surpresa ao povo australiano", confessou o jovem da Lourinhã.

O número dois nacional e 81.º tenista mundial admitiu que um bom resultado seria chegar à segunda semana em Melbourne Park.

"Obviamente, depende sempre do sorteio. Saiu-me um jogador duro, mas também não há jogadores fáceis. Chegar à terceira ronda e ter a oportunidade de jogar para chegar à segunda semana seria positivo. Mesmo perdendo cedo, pode ser positivo, dependendo da exibição que eu fizer", sublinhou.

Elias, que começou uma temporada, pela primeira vez, dentro do 'top 100' mundial, reconheceu que começar o ano com a entrada direta num 'Grand Slam' é um fator extra de confiança para 2017.

"Estou a jogar cada vez mais este tipo de torneios e quanto mais jogo mais gosto do circuito. Os torneios deste nível não têm nada a ver com os 'challengers'. Não digo pelos jogadores, mas sim pelo nível do evento. Isso dá-me muita motivação para continuar neste patamar e ter a oportunidade de todas as semanas jogar com bons jogadores e subir o mais possível no 'ranking' para ter entrada direta nestes quadros", concluiu.

O 'estreante' português inicia a sua caminhada no Open da Austrália na madrugada de segunda-feira, frente a Nick Kyrgios.