Marcão aponta ao título europeu. "Não receamos nenhum rival"

Marcão aponta ao título europeu. "Não receamos nenhum rival"
Paulo A. Teixeira

Tópicos

O guarda-redes do Sporting assume que o grupo está confiante para a final-four da UEFA Futsal Cup e acredita que será desta que o título europeu irá para Alvalade

Depois de um jantar de celebração no domingo, após o apuramento para a final-four da UEFA Futsal Cup e de um merecido dia de folga, o Sporting regressou ontem aos trabalhos, e O JOGO testemunhou o ambiente de boa disposição no grupo liderado por Nuno Dias. Em entrevista ao nosso jornal, o guarda-redes Marcão deu conta do sentimento de dever cumprido e aponta ao inédito título europeu em abril, apesar da forte concorrência: Inter Movistar, Kairat e Ugra.

O objetivo do Sporting na Ronda de Elite foi alcançado. E com o vosso rendimento: ficaram satisfeitos?

-O balanço é muito positivo. Foi muito bom ver a alegria no rosto de todos os colegas, sinal de que valeu a pena todo o sacrifício e trabalho desenvolvido.

Como é que prepararam o desafio decisivo com o FC Dynamo, o adversário mais forte do grupo?

-Vimos vídeos do coletivo e também individuais com ações de cada jogador deles. Na véspera do jogo e mesmo no domingo, tivemos cerca de três/quatro horas a estudar o adversário para não sermos surpreendidos.

O Sporting necessitava de um empate, mas chegou ao intervalo a perder por 2-1. O que mudou para conseguirem o apuramento?

-Acreditámos na nossa qualidade e estivemos sempre tranquilos, sabendo que do outro lado estava uma equipa de topo mundial. Acreditámos sempre que podíamos dar a volta. Com muita competência, conseguimos o objetivo.

No pavilhão, foi percetível o apoio do público, mesmo quando estiveram em desvantagem. Até que ponto foi importante o incentivo das bancadas?

-Acho que os adeptos nem têm ideia da força que nos transmitem. Nos momentos em que estamos por baixo, sentimos que acreditam em nós e isso leva-nos a pensar que somos capazes.

Alcançada a final-four, o Sporting pode bater-se com qualquer adversário?

-Não receamos ninguém. Vamos jogar cara a cara com o adversário que nos calhar. Não tememos ninguém.

Tem alguma preferência para a meia-final?

-Não há muito por onde escolher. São três grandes equipas. Cabe-nos fazer a melhor preparação possível até abril. O Inter tem o Ricardinho e outros grandes jogadores, e o Kairat é aquela máquina... O Ugra é o atual campeão europeu, mas todos têm 25 por cento de hipóteses de vencer. Espero que esta seja a nossa hora. Todos temos muita vontade de conquistar o título europeu.

Foi campeão europeu pelo Kairat. Já partilhou essa conquista com o grupo?

-Não. Somos um grupo muito experiente; temos o Léo, que foi bicampeão europeu, e os jogadores sabem qual a dimensão desta prova.

Almaty poderá receber a final-four. Pela experiência no Kairat, caso a UEFA opte pela candidatura cazaque, qual o ambiente que espera o Sporting?

-Os adeptos não estão muito presentes no campeonato, mas apoiam mais nestas provas. Só que não há comparação possível com os nossos adeptos. Não acredito que o fator casa seja uma vantagem fulcral para eles. Gostava que fosse em Lisboa, porque era bonito ser campeão europeu com os adeptos do nosso lado.

Receberam alguma mensagem particular do presidente Bruno de Carvalho?

-Deu-nos um abraço em Odivelas no final do jogo com o FC Dynamo. O apoio dele é uma constante. É um presidente muito presente.