O "grande susto" de Alejandro Marque

O "grande susto" de Alejandro Marque

O ciclista, vencedor da Volta a Portugal de 2013, está a recuperar do grande susto que apanhou há quase um mês, quando uma bactéria o atirou para os cuidados intensivos e o fez correr risco de vida.

O pior já passou para Alejandro Marque -- "agora estou melhor, vou pouco a pouco" -, mas aquilo que viveu no último fim de semana de janeiro ainda está bem presente na sua memória e até no seu corpo.

"Acabámos o estágio na sexta e no sábado fiz um treino bastante duro e depois, durante a tarde, senti-me mal, cansado. Meti-me na cama e comecei a ter febre, vómitos. Fui ao hospital e, já aí, entrei em insuficiência respiratória. Disseram-me que podiam ser salmonelas ou algo que comi, porque me afetou muito. Foi bastante grave. A nível respiratório houve muitas complicações", contou à agência Lusa desde a sua casa em A Estrada (Pontevedra).

O corredor galego da LA-Antarte esteve quatro dias internado nos cuidados intensivos, chegando a correr perigo de vida. "Foi um susto grande, porque não sabia a causa. A partir do momento em que te mandam para os cuidados intensivos já pensas que a coisa tem de ser grave. Trataram-me com antibióticos, foi então que começaram a diminuir todos os sintomas", explicou.

'Alex' ainda não sabe o que lhe aconteceu. "O mais seguro é que tenha sido uma bactéria que me apanhou com as defesas em baixo depois de, no estágio, ter tido uma carga de treino grande", adivinha, tendo apenas a certeza de que ficou com as defesas arrasadas.

"Quando vim para casa, a minha filha estava com gripe A e dois dias depois eu também fiquei. Ou seja, treinei dois dias e ao terceiro fiquei de cama por mais três", lamentou, revelando que ainda tem dificuldades em respirar, mas que está "200 % melhor" do que na semana que passou.

As melhorias físicas não escondem, contudo, o desânimo do vencedor da Volta a Portugal de 2013 e terceiro classificado da última edição por ter falhado o arranque da temporada.

"Tinha feito um bom inverno e sabia que estava numa boa condição e que no Algarve ia estar bem. Quando fazes esse trabalho e, de repente, tens de estar no hospital duas semanas. No final, dás-te conta de que o mais importante é a saúde, mas custa. Trabalhei tanto no inverno e deitar tudo isso fora custa muito", assumiu.

À distância, o corredor de 34 anos foi acompanhando a prestação da sua LA-Antarte e do colega Amaro Antunes, que foi décimo na geral final da Volta ao Algarve. "Vi-o na frente na primeira etapa e fiquei atento aos resultados", completou.

Marque reconheceu à Lusa que foi complicado não estar na 'Algarvia', para logo depois, fazendo jus ao seu otimismo e tranquilidade habituais, lembrar que só perdeu uma prova.

"Espero estar preparado para a Volta ao Alentejo e para as clássicas do Algarve. Depende de como me for sentindo a treinar. Ainda falta toda a época. Vamos ver como responde estes dias o corpo, porque tenho 'ganas' de voltar a competir", frisou.