Hollywood chama por Bolt

Augusto Ferro

Tópicos

O hexacampeão olímpico parece ter mais uma via aberta para o estrelato, seguindo exemplos como John Weissmuller ou Arnold Schwarzenegger.

O que melhor sabe fazer Usain Bolt é correr rápido, mas há quem continue a querer vê-lo metido noutras andanças, desportivas e não só. Agora é o mundo do cinema que mostra interesse em aproveitar o potencial de marketing de um dos homens mais famosos do planeta para o tornar uma estrela da Sétima Arte.

Usain Bolt continua a revelar um enorme interesse em abraçar novas experiências. No seu desporto, o jamaicano, de tempos em tempos, vai lançando a hipótese de tentar uma carreira nos 400 metros ou no salto em comprimento. Fora das pistas, continua a assegurar que, quando colocar os sapatos de bicos de lado, quer tornar-se futebolista profissional e, na modalidade mais querida do seu país, o críquete, mantém-se de pé a possibilidade de ingressar na liga profissional australiana.

Se só para dar resposta a todas os seus sonhos no universo desportivo seria precisa mais do que uma vida atlética, o que pensar quando surge agora o mundo do espetáculo a acenar-lhe com algo de novo. Inspirados no boa representação que Bolt registou no anúncio de uma marca de cartões de crédito que o patrocina para os Jogos Olímpicos de Londres, vários produtores convidaram-no para integrar o elenco de um filme de ação. Certamente que Bolt adorou a ideia. Falta saber se o mundo que agora lhe abre as portas é compatível com aquele onde ele é rei.

Se Usain Bolt vier a fazer uma perninha no cinema, não será original. Do mundo do desporto passaram para o do espetáculo muitas figuras. Arnold Schwarzenegger, que foi campeão mundial de halterofilismo antes de se iniciar em películas de quinta categoria será a mais conhecida. Na década de 40, o maior nadador de então, John Weissmuller veio a transformar-se no melhor Tarzan de sempre e, hoje, há quem queira ver o novo rei das piscinas, Michael Phelps, a fazer ao mesmo percurso. Depois, há quem tenha registado passagens fortuitas pelo grande ecrã, como Pele, o decatlonista Bruce Jenner ou o triplista brasileiro Ademar Ferreira da Silva. Já Eric Cantona leva mais de 20 trabalhos no seu registo.