Bolt também sambou

O homem mais rápido de todos os tempos esteve 24 horas no Rio de Janeiro e teve tempo para a música e para as fãs.

Vinte e quatro horas no Rio de Janeiro levaram Bolt a cumprir uma agenda repleta, mas sobrou tempo para curtir a noite, em mais uma sessão repleta de música e mulheres bonitas. Parece que o jamaicano ficou apaixonado pelo "jeitinho brasileiro".

Uma viagem de helicóptero levou o recordista mundial a conhecer alguns pontos emblemáticos da Cidade Maravilhosa - o Cristo Rei, as praias de Copacabana e o Estádio do Maracanã (este, curiosamente, dias depois de se saber que a sua pista de atletismo ia ser destruídas) - bem como o espaço que ficará ligado aos Jogos Olímpicos de 2016 - o "Engenhão", onde se propõe repetir a dose de sucessos de Pequim e Londres e, como confessou, terminar a carreira.

Num encontro com jovens no complexo desportivo do bairro do Monte Alto, numa entrevista coletiva Bolt precisou os seus planos futuros: "Quero continuar a ganhar até 2016, para ser a maior lenda do meu desporto, e, depois, tentar apostar no futebol".

Com o cumprimento das obrigações concluído, Bolt que negou estar em férias, passou à parte social, como tinha acontecido na Austrália e na Nova Zelândia. Mais uma vez assumiu o papel de DJ, numa bôite da zona Sul, na Festa Bolt in Rio. Dançou, pôs música, para deleite das imensas fãs que nunca o largaram. Uma imagem de marca por onde quer que passe.