Luz sobre o título

Pela décima vez na história do campeonato português, os dois rivais discutirão o título entre eles. O FC Porto tem sido mais feliz (levou a melhor em cinco dos duelos anteriores), mas o Benfica parece agora ter mais a favor

Este é mais um campeonato que contraria a ideia de que os campeonatos se decidem contra as equipas pequenas, sustentada na premissa de que os grandes, nos jogos entre eles, se anulam. Desta vez não é assim e este Benfica-FC Porto terá mesmo um peso decisivo na atribuição do título de campeão, aconteça o que acontecer. É que depois do triunfo das águias por 2-0 no Dragão, os portistas terão de retribuir, no mínimo, na mesma moeda para igualarem a pontuação do atual líder e terem vantagem no desempate.

Este jogo que se designa por clássico tornou-se, no últimos anos, num... clássico da decisão do campeão. Do golo em "horas extra" de Kelvin, em 2012/13, ao triunfo do FC Porto de Villas-Boas, em 2010/11, que literalmente apagou a Luz, será a quarta vez nos últimos cinco anos que o campeão sairá do confronto direto entre os maiores rivais do atual futebol português. Nas três anteriores, foram os dragões que saíram a sorrir, mas nem sempre foi assim. O bis de César Brito nas Antas, em 1990/91, ainda persiste na memória coletiva, ao contrário do primeiro de nove casos entre estes velhos rivais - foi logo na segunda edição do campeonato, em 1935/36, quando uma goleada por 5-1 permitiu ao Benfica terminar com mais um ponto do que um FC Porto que se despediu das faixas conquistadas um ano antes.