Sub-20: Hélio Sousa avisa para o jogo caótico do Senegal

Sub-20: Hélio Sousa avisa para o jogo caótico do Senegal
Mónica Santos, em Hamilton (Nova Zelândia)

Tópicos

Portugal está a postos para o Mundial de Sub-20 da Nova Zelândia, onde defronta, na madrugada de domingo, o vice-campeão africano da categoria, um caso sério de espontaneidade que colide com a organização portuguesa.

Uma ansiedade boa marca a contagem decrescente para o pontapé de saída de Portugal no Mundial de Sub-20 da Nova Zelândia, admitiu, este sábado, o selecionador Hélio Sousa, na conferência de imprensa no Waikato Stadium, o recinto que recebe, na madrugada de domingo (cinco da manhã, em Portugal continental), o jogo com o Senegal, vice-campeão africano da categoria. "Estamos desejosos de começar a jogar, mas essa ansiedade vai ser certamente positiva, como tem sido noutros momentos. Entrando em campo, sentindo o hino, tudo vai embora", declarou, antes do treino oficial no recinto de Hamilton.

Campeão mundial de Sub-20 em Riade, em 1989, no início de uma carreira que viria a conhecer apenas um emblema, o do Vitória de Setúbal, Hélio Sousa contou que nem só essa aventura na Arábia Saudita inspira a mensagem que passa aos jogadores, na preparação do torneio. "Não nesse momento em particular, mas em todas uma carreira de vitórias, derrotas, dias melhores e piores", explicou o selecionador: "Todas essas vivências que tivemos, eu e os técnicos com quem trabalho, o Emílio Peixe, o professor Edgar, os treinadores de guarda-redes e o professor Ilídio Vale. Tivemos vivências maravilhosas que partilhamos com todos eles. É uma vida de sonho, fazemos o que gostamos, mas é feita de sacrifícios, de momentos menos bons, e é nesses que crescemos. Esta equipa tem sabido crescer assim. Temos uma boa base para continuar a crescer, que é o que queremos, sabendo que estamos num grupo dificílimo".

"A nossa mensagem tem vindo a ser trabalhada há bastantes anos, não para esta competição em particular, mas para todas as que nos trouxeram aqui, a esta obrigação de este primeiro jogo ser muito bem conseguido, de procurarmos a vitória para, no último jogo, em que há muito a decidir, temos mais a nosso favor", resumiu.

Quanto ao Senegal, Hélio Sousa avisou para a "espontaneidade" do vice-campeão africano, que pode representar uma armadilha para a organização de jogo de Portugal: "O Senegal, como muitas equipas africanas parece criar algum caos no jogo. Em determinados momentos, parecem equipas desorganizadas, mas, é o seu modo de jogar. Temos de estar preparados para, nessas alturas, continuarmos confortáveis, serenos, e condicionarmos o adversário para um momento de jogo que nos seja mais propício".

Hélio Sousa sublinhou a dificuldade do Grupo C, que, com "três vice campeões e um campeão", será "muito interessante, muito bom para os nossos jogadores crescerem e se tornarem mais fortes a cada jogo".