O resumo do Benfica-Nacional

O Benfica despede-se de 2014 com uma vitória mínima, mas justa, sobre o Nacional, por 1-0, num jogo da Taça da Liga em que a ausência de Enzo Pérez voltou a ser sentida.

O campeão nacional venceu, no estádio da Luz, o adversário madeirense com um golo de Jonas, aos 11 minutos, suficiente para assegurar os três pontos, que vão dando aos "encarnados" o segundo lugar do grupo da Taça da Liga, em igualdade pontual com o Moreirense, que tem melhor diferença de golos.

Castigado contra o Gil Vicente, Enzo Pérez não teve oportunidade de se despedir em grande da Luz - ruma a Valência, nas transferências de inverno - e "obrigou" Jorge Jesus a fazer de novo adaptações, entregando a posição do argentino no meio-campo a Talisca, atrás da dupla mais avançada, Lima e Jonas. Seria este último a chegar ao golo, com um cabeceamento calmo e bem direcionado, na área, após centro de Maxi Pereira, decididamente o homem do jogo.

O uruguaio, capitão na ausência de Luisão, foi fator de desequilíbrio nessa jogada em que ultrapassou Fernando Marçal, mas também há muito mérito para Jonas, impecável entre os centrais nacionalistas.

Maxi Pereira também poderia ter feito um grande golo, aos 42 minutos, quando novamente se desembaraçou do infeliz Marçal e enviou uma bola com efeito, que embateu na trave.

Entre essas duas jogadas, o mínimo que se pode dizer é que o jogo foi desinteressante, quase sempre a meio do terreno e com poucas ocasiões ofensivas.

Do lado do Benfica, era evidente que Pizzi, no lado esquerdo, estava em "dia não", enquanto que Ola John, na outra ala, fazia pouco melhor. Na defesa, a dupla César e Jardel comprovava que não dá segurança a ninguém e que teve a sorte de o ataque madeirense estar desinspirado.

Ao intervalo, Jorge Jesus percebeu que a vantagem não dava garantias e alterou bem o esquema, lançando Nico Gaitán para o lugar de Pizzi. Só isso bastou para dar mais vivacidade ao jogo do campeão e impedir que o Nacional avançasse no terreno.

Esteve mais perto do 2-0 o Benfica do que o Nacional do empate e podem referir-se boas oportunidades para Jonas (68 minutos, de cabeça, e 83) e Jardel (80), isto depois de um golo anulado a Ola John, aos 57 minutos, por fora de jogo.

Na pior assistência da época para o Benfica, com pouco mais de 15 mil espectadores, o triunfo da formação da casa é indiscutível, mas o fraco ritmo de jogo e a escassez de jogadas de ataque deixam algumas preocupações aos benfiquistas.