Sporting joga em Budapeste acesso à fase a eliminar da Champions feminina

Sporting joga em Budapeste acesso à fase a eliminar da Champions feminina

Os leões vão discutir o apuramento com MTK, BIIK-Kazygurt e Hajvalia

O Sporting começa na terça-feira a lutar pela presença na segunda fase da Liga dos Campeões feminina de futebol, com o treinador a apontar como objetivo a médio prazo chegar aos oito melhores da Europa.

Em declarações à agência Lusa, Nuno Cristóvão assumiu que o objetivo do Sporting na fase preliminar de grupos, em Budapeste, é atingir a fase a eliminar, algo que, em Portugal, só o Atlético Ouriense conseguiu, em 2014/15.

"A ambição é clara, que é passar esta fase de grupos e chegar à fase a eliminar. É um feito que para as equipas portuguesas só ocorreu uma vez e que nós perseguimos há muito tempo. Eu disse, há uns anos, quando deixei o futebol feminino, que só regressaria com um projeto que quisesse estar entre as oito melhores da Europa. Esse é o grande objetivo para esta época, ou seja, passar a fase de grupos para passo a passo nos aproximarmos desse objetivo", afirmou.

Em Budapeste, o Sporting vai defrontar o anfitrião MTK, o BIIK-Kazygurt, do Cazaquistão, e o Hajvalia, do Kosovo, "um grupo difícil" e que Nuno Cristóvão considera "dificilmente poderia ser pior".

"Temos o segundo do pote 1, o segundo do pote 2 e o primeiro do pote 4. Mas, independentemente disso, o Sporting vai entrar com sentido de tentarmos ser apurados para a fase a eliminar", afirmou.

Sobre os adversários, Nuno Cristóvão disse que "o BIIK-Kazygurt, do Cazaquistão, é claramente a equipa mais forte deste grupo, pelo menos a nível de "ranking", sendo a 21.ª com melhor coeficiente da prova, melhor até do que algumas equipas já apuradas para os 16 avos de final.

"É uma equipa que tem muitas jogadoras estrangeiras - americanas, africanas, brasileiras -, é uma equipa que esteve nos oitavos de final no ano passado, em que foi eliminada pelo finalista vencido, o PSG. É uma equipa que observámos através de vídeo mais do que uma vez e penso que será um rival forte", assumiu.

Em relação ao MTK, o treinador leonino disse que também observou alguns vídeos da equipa húngara, destacando a vantagem de ser a equipa organizadora.

"Quem organiza tem sempre algumas vantagens, não precisa de alterar rotinas, de alterar hábitos, podem utilizar as 25 jogadoras inscritas na UEFA", lembrou.

Em relação ao campeão do Kosovo, o Hajvalia, Nuno Cristóvão disse que "é mais difícil" conhecer, mas como é o adversário da última ronda vão ter possibilidade de observar os dois primeiros jogos.

Para a nova temporada, o Sporting contratou seis jogadoras e assegurou a permanência a título definitivo da Ana Borges, que esteve emprestada pelo Chelsea na última temporada.

"Este ano temos quatro competições, em vez de duas no ano passado. Uma delas resolve-se num fim de semana, a Supertaça, mas as outras podem prolongar-se no tempo. Com a minha experiência na Liga dos Campeões em anos anteriores, eu achava que era imprescindível o Sporting reforçar-se (...). Foi feito para continuar a lutar pelos títulos nacionais e ir o mais longe possível na Liga dos Campeões. Sabendo que para atingir aquele objetivo de estarmos entre as oito melhores da Europa, temos de continuar a ser campeões nacionais", assumiu.

De acordo com Nuno Cristóvão, o facto de ter jogadoras que estiveram presentes no último Europeu e algumas que já disputaram a Liga dos Campeões é positivo.

"A experiência das jogadoras tem sempre o seu peso, quaisquer que sejam as competições em que participam. É evidente que jogadoras que já estão habituadas a grandes palcos mais facilmente conseguem controlar ansiedade e transmitem tranquilidade às jogadoras menos experientes. Temos atletas que já jogaram esta competição ao serviço destes clubes. Isso é uma clara mais-valia", assumiu.

Para chegar aos 16 avos de final, o Sporting tem de vencer o Grupo 8 ou ser o segundo classificado com melhor registo contra o primeiro e o terceiro posicionado.