Quaresma não é o único ameaçado

Quaresma não é o único ameaçado
Mónica Santos

Tópicos

FPF notificou 16 clubes. Por causa de 50 mil euros retidos pela Liga, podem ser suspensos mais de 20 reforços inscritos até 12 de janeiro

O caso do portista Quaresma foi o primeiro a ser conhecido e denunciado publicamente, este sábado, mas, há mais de 20 futebolistas de um total de 16 clubes das ligas profissionais ameaçados pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) com a suspensão dos respetivos registos de transferência. Tudo porque, a pretexto de uma disputa institucional relativa a outras contas, a Liga decidiu não remeter aos serviços federativos as verbas relativas ao pagamento das inscrições.

Está em causa um valor que ronda os 50 mil euros. A FPF estabeleceu um prazo de cinco dias para a situação ser regularizada. Caso contrário, promete tomar medidas. Esta ameaça coloca em causa a normalidade da I e da II Liga, uma vez que os reforços ameaçados de irregularidade estão já a competir. Quaresma, anunciou, este sábado, o treinador do FC Porto, vai a jogo com o Paços de Ferreira.

O que está em causa não é uma falha dos clubes no pagamento da inscrição dos reforços de inverno, uma vez que a Liga já admitiu, em carta difundida este sábado, através da agência Lusa, que estes "pagaram as inscrições" e podem utilizar todos os jogadores que foram inscritos na Liga e cujo registo foi homologado pela FPF", pois são" completamente alheios" a esta polémica, embora sejam quem arrisca as consequências.

Foi a Liga quem optou por reter os cerca de 50 mil euros relativos aos contratos registados até 12 de janeiro, como deixa claro nos excertos conhecidos da carta enviada aos clubes e à FPF em que recorda as divergências relativas ao acerto de contas com o organismo que tutela a modalidade e cujos termos haviam sido acordados em 2013.

Na altura, a Liga comprometeu-se a liquidar, a partir de julho do próximo ano, em 24 prestações mensais, uma dívida de mais de um milhão de euros, no pressuposto do respeito pelo protocolo que define as relações entre as instituições e que prevê a entrega imediata à FPF de metade do valor das inscrições, que está em falta e faz com que mais de duas dezenas de jogadores devidamente inscritos por 16 clubes, no mercado de inverno, estejam sujeitos a ver o respetivo registo de transferências suspenso, a qualquer momento. Se o dinheiro não chegar à FPF, nos próximos cinco dias, haverá consequências.