Gil Vicente ganha "Caso Mateus"

Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa deu razão aos gilistas, que agora apontam à subida à I Liga

O Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa deu razão ao Gil Vicente no "Caso Mateus" num processo que ditou a descida do emblema de Barcelos à II Liga e a "repescagem" do Belenenses que, então, tinha descido de divisão. A decisão chega quase uma década depois: o caso remonta a agosto de 2006.

Mateus, agora a jogar no Arouca, chegou a Barcelos proveniente do Lixa e com o estatuto de jogador amador, o Gil Vicente colocou em jogo o avançado angolano Mateus vindo depois a desencadear um longo e penoso processo judicial desportivo que caiu depois nos tribunais civis.

O "Caso Mateus" conheceu desenvolvimentos no interior da Liga de Clubes e Federação Portuguesa de Futebol, acabando depois por chegar à FIFA que ameaçou aqueles dois organismos desportivos de que haveria sanções desportivas a nível de seleções nacionais e participação das equipas portuguesas em competições europeias caso o processo não fosse resolvido a tempo do início dos campeonatos profissionais.

O Gil Vicente, em última instância, colocou o processo no Tribunal dos Direitos do Homem tendo sido ontem decidido que o Gil vai ser ressarcido de todo o prejuízo resultante da descida de divisão e também no aspeto monetário e a consequente colocação do clube a competir no Campeonato 20016/2017 da I Liga.

A direção do Gil Vicente reuniu-se esta segunda-feira para, amanhã, pelas 12h30, conjuntamente com os advogados que trataram do processo, comunicar o desfecho do "Caso Mateus".

O JOGO abordou Pedro Macieirinha, advogado que acompanha o processo, que afirma desconhecer "ainda qualquer decisão". "O Gil Vicente está à espera da decisão final que pode surgir a qualquer momento. Não fomos notificados de nada", assegurou o causídico.