Corrupção no desporto continua a aumentar

Corrupção no desporto continua a aumentar
Marco Gonçalves

A Sportradar, empresa especializada na monitorização de jogos e apostas online, detetou quase três mil encontros combinados desde 2008/09

Os casos de corrupção no desporto continuam a aumentar. Segundo os dados da Sportradar, empresa especializada na monitorização de jogos e apostas online com a qual a Federação Portuguesa de Futebol estabeleceu uma parceria, desde 2008/09 houve 2863 jogos suspeitos, com os números a subirem cada vez mais - há oito anos foram detetados 144 casos, tendo em 2015/16 sido 465. O máximo foi atingido em 2014/15, com 534 partidas suspeitas de fraude. Tudo fruto também do crescente sector das apostas, que em 2016 movimentaram 1,6 biliões de euros no mundo.

Para combater esta tendência, a FPF assinou um acordo com a Sportradar, válido desde janeiro e que se prolongará, apurou O JOGO, até 2018, de forma a que os campeonatos amadores e a Supertaça sejam também monitorizados - as ligas profissionais e a Taça de Portugal já o são, no âmbito da parceria desta empresa com a UEFA.

Frisando que "neste momento não há suspeitas de resultados combinados em Portugal", Faiz Kabir, responsável da Sportradar que esteve ontem na Cidade do Futebol para um workshop com a comunicação social, elementos da FPF e do Sindicato dos Jogadores, esclareceu que um dos problemas desta luta é o facto de "haver falta de enquadramento legal para punir os culpados", já que "há muitos países em que a combinação de resultados não é crime". No intuito de reforçar a moldura penal, a FPF viu aprovada na última semana, pela Assembleia da República, uma proposta de lei que visa equiparar a corrupção desportiva à que é definida no Código Penal e que alterará a legislação atual, em que o responsável pela fraude pode só pagar uma multa.

Na sua exposição, Kabir revelou várias situações de corrupção, na Lituânia, Austrália ou Nepal, abordando ainda o caso do Skenderbeu, que defrontou o Sporting na Liga Europa em 2015/16 e que foi suspenso pela UEFA de todas as provas europeias por combinação de resultados.