Prejuízo de um milhão nas contas da Briosa

Prejuízo de um milhão nas contas da Briosa

Numa das assembleias mais concorridas dos últimos tempos, sócios da Académica aprovaram o Relatório e Contas do exercício 2014/2015, cujos números refletem, entre outros fatores, a ausência de transferências

Os sócios da Académica aprovaram, na noite desta quinta-feira, o Relatório e Contas da época 2014/2015 (126 a favor, 80 contra e 25 abstenções), numa das assembleias mais concorridas das últimas temporadas, que regista um prejuízo de pouco mais de um milhão de euros.

De acordo com os documentos apresentados, o resultado líquido da SDUQ foi de 1,458 milhões de euros negativos, sendo o capital provisional negativo de 2,540 milhões, mas o OAF (Organismo Autónomo de Futebol) registou um lucro superior a 400 mil euros. Salvador Manuel Arnaut, vice-presidente da área financeira, adiantou, então, que os números consolidados entre o OAF e a SDUQ resultam numa perda de pouco mais de um milhão de euros e o passivo consolidado corresponde agora a 6,4 milhões de euros.

O mesmo responsável justificou o referido prejuízo de um milhão de euros nas contas devido ao facto de no exercício em questão a Académica não ter efetuado uma única venda de jogadores, a que se juntaram as escassas receitas de bilheteira, especialmente nos jogos com os três "grandes", e ainda o incumprimento dos arrendatários do Bingo.

A assembleia aprovou ainda, por larga maioria, autorizar a direção da SDUQ a apresentar como garantia o Pavilhão Jorge Anjinho em processos de dívidas à Autoridade Tributária e Segurança Social. O imóvel, avaliado em 4,9 milhões de euros, vai servir de hipoteca a uma dívida de 1,28 milhões àqueles dois organismos, a pagar em 120 prestações mensais iguais, embora seis das quais já estejam liquidadas. Esta decisão foi sufragada com o voto favorável de 137 sócios, tendo-se registado 24 contra e 60 abstenções.