"Penso muito pouco no Benfica"

Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, falou sobre o rival Benfica

Obsessão com o Benfica: "É algo que, ao contrário do que podem imaginar, penso muito pouco. São estratégias. Quando são atacados, têm de reagir"

Exemplos de "estratégias": "Eu dou exemplos: o Sporting negociou a reestruturação financeira há dois anos. Quando estava a negociar, o Sporting atravessava um momento muito complicado e o Benfica, por intermédio de Rui Gomes da Silva, de Moniz e do presidente faziam intervenções de perdão de dívida. O Sporting estava a negociar. Isso é a vida interna do clube. Eu nunca me preocupei com os assuntos internos dos outros. Entrámos num capítulo do interior do clube. O presidente deu uma entrevista no seu canal em que falou de perdão de dívida durante a maioria do tempo"

Outro exemplo: "Outro exemplo inacreditável: processo de cachecóis com símbolos dos clubes. Nem sei bem o que é aquilo. Decidiram implicar não só o Sporting como também o presidente do Sporting e mandaram a notificação para minha casa, onde mora a minha família, as minhas filhas. Isso nunca aconteceu. Notificações dos tribunais para o presidente do Sporting vão para o estádio. É preciso perceber onde chegámos"

Imagem do Sporting prejudicada pelo presidente?: "Só em Portugal é que dizem que sou radical. Já falei com vários jornais de referência na Europa e só aqui é que dizem isso. O que é para mim radical? É um clube com três meses de salário em atraso; é chegar ao Sporting e, no primeiro dia, ter de pagar 3 milhões de euros para jogar na Europa quando o clube não tinha um tostão no banco; é um clube perto de ser vendido; um clube que não disputava o campeonato, que não contava para a Europa e que tinha a maior dívida dos três grandes. Isso é ser radical. Agora, o Sporting está bem, é respeitado em Portugal e lá fora, tem a menor dívida dos três grandes e fez um negócio superior a toda a dívida do clube. Não é fácil. É preciso trabalhar muito. E estou no Sporting há três anos".