Megaoperação do Sporting para tentar fechar Pavón

Megaoperação do Sporting para tentar fechar Pavón
Federico del Rio/Filipe Alexandre Dias/Pedro Marques Costa/Rui Miguel Gomes

Tópicos

Extremo-esquerdo de 21 anos é a prioridade para o técnico Jorge Jesus, pese o agrado com Pity Martínez (River Plate), pois pretende equilibrar as forças nas alas, isto quando comparado com Gelson Martins.

A mexer em vários processos de modo a finalizar algumas das aquisições pretendidas por Jorge Jesus, a SAD do Sporting procura contratar um extremo-esquerdo de qualidade indiscutível, perfilando-se o argentino Cristian Pavón, que representa o Boca Juniors, como o principal candidato ao posto. Os responsáveis leoninos efetuam todos os esforços para assegurar o atleta de 21 anos, considerado uma das grandes figuras dos xeneizes - o dianteiro alinhou ontem na vitória sobre o Aldosivi e apontou um grande golo. Segundo O JOGO apurou, os leões estão a recorrer a um grupo de investidores para enfrentar as exigências financeiras dos dirigentes do Boca.

Em causa estão nove a 12 milhões de euros - dependendo de percentagens futuras e outras variáveis -, verba que fica aquém da cláusula de rescisão de 18 milhões de dólares (16 milhões de euros) que consta no contrato de Pavón. O Sporting, apurou o nosso jornal, está prestes a enviar um mandatário a Buenos Aires, Argentina, e elementos do referido grupo de investidores para tentar levar em diante a operação, que poderá ainda envolver a transferência em definitivo de Jonathan Silva para o Boca, onde evolui na condição de cedido por empréstimo dos leões até ao final do presente mês.

Pavón surge como a primeira opção para a extrema-esquerda, ele que é destro e pode jogar no lado de Gelson, ainda que Pity Martínez seja outro dos jogadores que agrada ao técnico Jorge Jesus e à estrutura diretiva. Em qualquer dos casos, a ajuda de um grupo de investidores é essencial, fruto da ausência de liquidez da sociedade para um investimento tão avultado em apenas um atleta. Pavón, refira-se, tem contrato em vigor com o Boca até 2020, detentor da totalidade dos direitos económicos, e a presente temporada tem sido a melhor enquanto profissional, já que conta com 28 jogos disputados, 2405 minutos e nove golos apontados.