Luís Castro desconfia da intranquilidade do Sporting e explica

Luís Castro desconfia da intranquilidade do Sporting e explica

O Rio Ave, treinado por Luís Castro, defronta o Sporting este sábado

O jogo em Alvalade: "Vamos defrontar uma equipa com um treinador experiente e capaz, formada por jogadores experientes, alguns deles campeões da Europa, animados, segundo vou lendo, em fazer um campeonato capaz ainda de os levar, se possível, a lugares acima do atual. É com este cenário que vamos jogar, procurando fazer uma exibição de qualidade, dando uma boa imagem e se possível conquistar pontos. É isso que tentamos sempre"

O momento do Sporting: "A intranquilidade que os resultados retratam podem, por vezes, não coincidir com o nível exibicional. Estamos a falar de intranquilidade de uma equipa que tem no meio-campo William, Adrien e Alan Ruiz, que tem no ataque jogadores como Gelson e Bas Dost, que na baliza tem um dos melhores guarda-redes do mundo. Falar de intranquilidade é, muitas vezes, fugir à realidade. Intranquilas devem estar as equipas que defrontam adversários desse poderio."

Sobre o jogo: "Vamos confiantes para o jogo, sabemos que todos os jogos são uma oportunidade de somar três pontos. Intranquilidade não corresponde, muitas vezes, à realidade de uma equipa com qualidade e um treinador competente e capaz"

O que fazer: "Há muito a fazer, há muito trabalho pela frente durante 90 minutos para tentar sair de Alvalade com um resultado positivo. Sabemos que o Sporting estará apoiado por cerca de 40 mil adeptos, mas nós, ainda que com menor número, teremos também adeptos que nos querem muito"

Os jornais: "Amanhã nos jornais, apesar de tudo o que já disse, vão todos concentrar-se que o Luís Castro disse que quer os três pontos. É essa a realidade, queremos vencer o jogo"

A primeira volta: "É um aspeto motivacional que pode ser aproveitado pelos dois lados. Para o Rio Ave porque já foi capaz de bater o Sporting, o Sporting porque quererá vingar a derrota. É um aspeto que pode ser aproveitado por mim e pelo Jorge Jesus. O que mais motiva nunca será o passado. Há jogadores diferentes, houve entradas e saídas, as duas equipas são diferentes"