"Têm que fazer um jogo perfeito, aproveitar a ansiedade do FC Porto"

"Têm que fazer um jogo perfeito, aproveitar a ansiedade do FC Porto"

O jogador do Salgueiros, que representou o Boavista entre 2002 e 2006, apresenta uma receita simples para a equipa de Erwin Sanchez praticar

Cafú, 38 anos, agora no Salgueiros, onde ainda continua a ter "o prazer" de fazer o que gosta e de finalizar - dois golos em cinco jogos do Campeonato de Portugal - foi o herói do jogo em que o Boavista venceu, pela última vez, no Estádio do Dragão. O avançado cabo-verdiano recorda o dérbi de 20 de novembro de 2004 como "um jogo intenso" em que a equipa então orientada por Jaime Pacheco, aproveitou a incapacidade de finalização do FC Porto e o desespero na procura do golo para, já nos descontos "carimbar" uma vitória histórica.

A organização e tranquilidade que, há quase 12 anos, deu resultado, é a receita ideal para surpreender o vizinho. "O Boavista tem que ir confiante, sereno, e tentar jogar com a intranquilidade do FC Porto. Não está tão forte, está a encontrar-se a nível dos processos do treinador, tem mudado a tática e resultados menos positivos. Tudo isto somado pode ser uma vantagem para o Boavista", considerou o veterano que aconselha os mais novos "a serem mais competitivos e a levar isto a sério porque o futebol não é uma brincadeira".

Num dérbi "sempre especial", adiantou, "todos os jogadores estão supermotivados". Tem, por isso, que fazer "um jogo perfeito, com uma entreajuda brutal, não cometer erros e aproveitar a necessidade do FC Porto resolver cedo o jogo", porque, recordou, "vem de um empate em Tondela e na terça-feira joga em Leicester para a Liga dos Campeões".