"Tinha de ser a mesma equipa do jogo de sexta-feira"

"Tinha de ser a mesma equipa do jogo de sexta-feira"

Rui Vitória admitiu que escolheu o mesmo onze que perdeu com o FC Porto, no clássico a que se referiu sempre como "o jogo de sexta-feira", a pensar numa prenda para os adeptos benfiquistas.

"Este golo pode ser muito importante", afirmou Rui Vitória, treinador do Benfica, encantado com a vantagem sobre o Zenit na primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões disputada, esta terça-feira, na Luz. Vencer no palco onde, na sexta-feira, o mesmo onze perdeu com o FC Porto, no campeonato, era um "desafio" paralelo e a equipa superou com um "controlo emocional e tático" que deixou Rui Vitória orgulhoso.

Golo à beira do fim

"Fez-se justiça. A minha equipa foi muito forte, em todos os momentos, fundamentalmente, no controlo emocional, pois era importante não querer ganhar a todo o custo, ter o jogo controlado. Fomos persistentes, trabalhadores, tivemos as oportunidades suficientes para ganhar o jogo e podíamos ter marcado mais cedo"

Ressaca da derrota no clássico

"Estes jogadores tinham que presentear os adeptos com o que ficou por fazer na sexta-feira, ganhar. Esse foi o desafio. Fizemos o máximo para ganhar, como temos feito em todos os jogos e também nesse, criámos oportunidades, merecíamos uma vitória e o desafio foi precisamente esse. O jogo de sexta-feira passou, não podemos voltar atrás, mas, queríamos dar esse presente aos adeptos que vieram aqui e tinha de ser a mesma equipa, com um controlo muito grande nos aspetos emocionais e táticos"

Baixas

"No Benfica, não há impossíveis, já provámos. Hoje, jogaram mais dois que, na época passada, estavam na equipa B. Às vezes, o azar de uns é a oportunidade de outros"

Segunda mão

"É evidente que queríamos ter feito mais golos, ter uma vantagem diferente, mas isso, com equipas tão equilibradas não é possível. Estamos melhor do que estávamos há 90 minutos. Esta vantagem é boa na Champions, vamos disputar jogo da segunda mão com uma determinação enorme, quem jogar estará pronto para o jogo. A equipa tem superado os desafios, tem sido fantástica na superação dos obstáculos que têm aparecido pela frente. Vamos à Rússia para marcar golos, temos marcado sempre e não há-de ser diferente. Tenho quase a certeza de que marcaremos em São Petersburgo, mas, vai ser difícil, embora o seja também para o Zenit. Objetivamente, estamos à frente no marcador, com um golo de vantagem, e este golo pode ser muito importante"