Ataque do Benfica não tem igual na Europa

Ataque do Benfica não tem igual na Europa
Pedro Miguel Azevedo

Tópicos

Com quatro internacionais A para a zona de finalização, o Benfica é a equipa da Champions com mais opções deste nível. São elas, Jonas, Seferovic, Jiménez e Mitroglou.

Jonas, Seferovic, Jiménez e Mitroglou: quatro avançados de área, quatro jogadores internacionais A pelos respetivos países são as armas com que Rui Vitória conta para rebentar as linhas defensivas contrárias nesta temporada. As águias são, de resto e neste momento, a única equipa das principais ligas europeias e com acesso direto à Champions com tantos internacionais A na zona de finalização. Algo que abre diversas opções a Rui Vitória sobre a forma de montar a equipa, mas que também, pela negativa, poderá criar situações de desagrado para quem ficar no banco e, até, desvalorização dos menos utilizados.

Sem Mitroglou, parado por lesão, Jonas e Seferovic foram os titulares nas duas partidas disputadas (V. Guimarães, na Supertaça, e Braga, na I Liga), assinando entre eles quatro dos seis golos do Benfica, fazendo Jiménez e Salvio um cada. Olhando para os homens de área dos emblemas com lugar certo nos grupos da Liga dos Campeões, apenas o Chelsea poderia igualar as águias no número de avançados com carimbo de internacionais A normalmente colocados a jogar a "9" ou como segundo atacante. No entanto, Diego Costa já foi afastado por Antonio Conte, sobrando apenas três opções "efetivas" para a zona de tiro dos blues em 2017/18: Morata, Remy e Batshuayi. Por exemplo, em Espanha, apenas Barcelona (Messi, Suárez e Paco Alcácer) e Atlético de Madrid (Torres, Griezmann e Kevin Gameiro) se aproximam das águias quanto a soluções para a grande área contrária que sejam clientes das seleções principais.

Ter tantas soluções de qualidade internacional deixa caminho aberto a Rui Vitória para escolher um par para jogar mais direto ou para adotar um estilo mais trabalhado. António Simões, que foi jogador, dirigente e treinador, admite que a qualidade no ataque nunca é de mais. "Ali, vale a pena ter fartura. De todos, o jogador que mais falta faz é Jonas, pois todos combinam bem com ele. Entre os outros três já é mais difícil combinar uma melhor dupla", analisa a O JOGO, lembrando que estes avançados "alargam muito" as opções de jogo de Vitória.

Mas também pode ser um problema ter tantos internacionais a lutar por apenas duas posições. Quem fica de fora pode ficar desagradado e cabe a Rui Vitória lidar com pinças. Vítor Paneira, ex-jogador e treinador, entende que o equilíbrio é possível. "Pela forma como joga, o Benfica vai precisar sempre de três ou, idealmente, de quatro avançados no plantel. Rui Vitória, mantendo a rotatividade, saberá dar rebuçados para manter todos satisfeitos. Há muitos jogos na época", frisa a O JOGO. Já o risco de desvalorização é outro aspeto a considerar, segundo António Simões: "Sim, é verdade, mas se algum atleta se desvalorizar por não estar a jogar, também é porque algum outro está a jogar bem e, dessa forma, a valorizar-se."