Morreu nacionalista que fugiu da seleção portuguesa de voleibol para se juntar ao MPLA

Morreu nacionalista que fugiu da seleção portuguesa de voleibol para se juntar ao MPLA
Lusa

O nacionalista angolano Rui Alberto de Sá "Dibala" morreu sábado, aos 78 anos, anunciou hoje o MPLA, partido ao qual se juntou, então ainda movimento de guerrilha, em 1961, fugindo de Portugal durante uma digressão da seleção de voleibol.

De acordo com uma nota do bureau político do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) enviada à Lusa, o general "Dibala" morreu em Luanda vítima de doença.

Desempenhou anteriormente as funções de comissário político em várias regiões político-militares do movimento, o qual também representou no Egito e na Síria.

Depois da independência de Angola, a 11 de novembro de 1975, foi diretor-geral da TAAG, administrador da Angola Telecom e primeiro presidente da Federação Angolana de Voleibol (1978-2002).

Foi precisamente nesta modalidade que Rui Alberto de Sá fugiu de Portugal, em finais da década de 1950, aproveitando para tal uma digressão da seleção nacional portuguesa de voleibol, que integrava, juntando-se já em 1961 ao MPLA.

É considerado pelo partido como uma das principais figuras no processo de libertação nacional e mantinha-se como membro do Comité Central do MPLA.

Em 2010, Rui Alberto de Sá "Dibala" foi condecorado pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, com o título honorífico de Herói Nacional, pela sua participação na luta pela independência de Angola.