Macau/Eleições: Apresentada queixa contra candidato por alegada infidelidade à China

Macau/Eleições: Apresentada queixa contra candidato por alegada infidelidade à China
Lusa

O presidente da Comissão dos Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa (CAEAL) de Macau, Tong Hio Fong, disse hoje ter recebido uma queixa contra um candidato por alegada infidelidade ao regime chinês.

Segundo a Rádio Macau, o candidato sob investigação é Wong Kin Long, de 20 anos, número quatro da lista afiliada à maior associação pró-democracia, a Novo Macau.

A queixa à CAEAL está a ser analisada e caso se confirme a acusação o candidato pode ser impedido de participar nas eleições de domingo para a Assembleia Legislativa (AL) de Macau.

"Os dados da queixa foram recolhidos através das redes sociais. Para acompanhar este caso, precisamos de recolher mais factos concretos", disse Tong Hio Fong, durante a participação num programa do canal chinês da Rádio Macau.

Um aditamento à nova lei eleitoral, aprovado em 2016, obriga os candidatos a assinarem uma declaração de fidelidade a Macau enquanto Região Administrativa Especial da China.

Esta declaração de fidelidade, cuja sinceridade é avaliada pela Comissão dos Assuntos Eleitorais, que tem em conta, por exemplo, opiniões manifestadas pelos candidatos no passado, surgiu na sequência de uma decisão de Pequim em relação a Hong Kong, que resultou no afastamento de dois deputados independentistas, em novembro passado.

Esta semana, Wong Kin Long disse que estava a ser alvo de uma campanha difamatória nas redes sociais Facebook e Wechat, que o acusa de apoiar a independência de Hong Kong, de acordo com a Rádio.

Um total de 33 deputados compõe a AL. Destes, 14 são eleitos diretamente pela população, 12 por via indireta (associações) e sete são nomeados pelo chefe do executivo.